Efeito dos níveis de energia e programas de alimentação sobre a qualidade de carcaça e desempenho de frangos de corte abatidos tardiamente - DOI: 10.4025/actascianimsci.v29i1.250

Karina Ferreira Duarte, Otto Mack Junqueira, Rosemeire da Silva Filardi, Antonio Carlos de Laurentiz, Hirasilva Borba Alves de Souza, Tricia Maria Ferreira de Souza Oliveira

Resumo


O experimento foi realizado com o objetivo de avaliar diferentes níveis de energia e programas de alimentação sobre a qualidade de carcaça e carne de frangos de corte entre 42 e 57 dias de idade. Foram utilizados 1.600 pintos machos “Cobb”, em um delineamento inteiramente ao acaso, em esquema fatorial 2x4, sendo dois níveis de energia (3.200 e 3.600 kcal EM kg-1) e quatro programas de alimentação (recomendações de aminoácidos). Foram avaliados as características de carcaça (rendimento de carcaça, de peito e de coxas + sobrecoxas) e carne (cor, pH, perdas por cocção, força de cisalhamento, capacidade de retenção de água e análise sensorial) e os dados de desempenho (ganho de peso, consumo de ração, conversão alimentar e conversão calórica). Os níveis energéticos ou os diferentes programas de alimentação não determinaram diferenças expressivas na qualidade da carcaça ou de carne que justifiquem a escolha de um nível de energia ou de um programa alimentar, devendo prevalecer o nível energético e as recomendações de aminoácidos que determinem o maior custo-benefício. Observou-se que o nível de 3.600 kcal EM kg-1 proporcionou melhoria no desempenho das aves, enquanto que o fracionamento das exigências de aminoácidos digestíveis em dois períodos determinou piores resultados.

Palavras-chave


aminoácidos digestíveis; análise sensorial; energia metabolizável; frangos de corte; qualidade de carne

Texto completo:

PDF (baixado


DOI: http://dx.doi.org/10.4025/actascianimsci.v29i1.250





ISSN 1806-2636 (impresso) e ISSN 1807-8672 (on-line) e-mail: actaanim@uem.br

 

Resultado de imagem para CC BY