Níveis de uréia em suplementos para terminação de bovinos em pastejo durante a época seca - DOI: 10.4025/actascianimsci.v29i3.560

Tiago Sabella Acedo, Mário Fonseca Paulino, Edenio Detmann, Sebastão de Campos Valadares Filho, Eduardo Henrique Bevitori Kling de Moraes, Darcilene Maria de Figueiredo

Resumo


Avaliaram-se níveis de inclusão de uréia em suplementos sobre o consumo, a digestibilidade e parâmetros do metabolismo dos compostos nitrogenados em bovinos, manejados em pastagem de Brachiaria brizantha cv. Marandu, no período de seca. Foram utilizados quatro novilhos Holandês x Zebu, não-castrados, com peso médio inicial de 250 kg, fistulados no esôfago, rúmen e abomaso. Foram fornecidos suplementos isoprotéicos (20% PB), constituídos de milho grão, farelo de algodão, mistura mineral e diferentes níveis de uréia, com base na matéria natural (0; 1,6; 3,2; e 4,8%), na quantidade de 1% do peso vivo. O experimento foi conduzido segundo delineamento em quadrado latino 4 x 4. Os níveis de uréia influenciaram de forma quadrática (p < 0,10) os consumos de matéria seca total (MS) e MS de pasto, com máximo consumo estimado sobre níveis próximos a 1,6% de uréia. As digestibilidades ruminal e total da MS, da matéria orgânica e da PB, as concentrações de nitrogênio amoniacal ruminal e a excreção urinária de nitrogênio uréico apresentaram relações lineares positivas com os níveis de uréia nos suplementos (p < 0,10).

Palavras-chave


Brachiaria brizantha; consumo; digestibilidade; suplementação

Texto completo:

PDF (baixado


DOI: http://dx.doi.org/10.4025/actascianimsci.v29i3.560





ISSN 1806-2636 (impresso) e ISSN 1807-8672 (on-line) e-mail: actaanim@uem.br

 

Resultado de imagem para CC BY