Comparação de diferentes metodologias para obtenção de cultura de calos de Stevia rebaudiana (Bertoni) Bertoni - DOI: 10.4025/actascihealthsci.1090

Ana Paula Patrão, Ananda de Castro Cunha, Valeria Rodrigues Celloto, Eliezer Rodrigues de Souto, Regina Aparecida Correia Gonçalves, Arildo José Braz de Oliveira

Resumo


As folhas de Stevia rebaudiana (Bertoni) Bertoni (Asteraceae) contêm glicosídeos diterpenóides (GDS), que são cerca de 300 vezes mais doce que a sacarose a 4%. O objetivo deste estudo foi avaliar a formação de calos, a partir de folhas obtidas in vivo e in vitro de S. rebaudiana em dois meios já descritos na literatura: Murashige e Skoog (MS), suplementado com 3 mg L-1 de ácido 2,4-diclorofenóxiacético (2,4-D), e o MS suplementado com 1 mg L-1 de ácido naftalenoacético (ANA) e 0,5 mg L-1 de 6-benzilaminopurina 6-BAP) e um desenvolvido em nosso laboratório o Woody Plant Medium (WPM), suplementado com 6 mg L-1 de ANA e 4 mg L-1 de cinetina (CIN). Os explantes obtidos in vitro iniciaram a formação de calos um pouco mais rapidamente que os das folhas de plantas advindas da natureza. A utilização dos nutrientes do meio WPM, associada a uma combinação de fitorreguladores adequada, proporcionou velocidade de indução e multiplicação de calos bem maiores que as apresentadas nos meios que empregaram os nutrientes do MS. Novos experimentos serão realizados, depois de alcançada a estabilidade genética dos calos, visando avaliar a capacidade destes em biossintetizar os GDS

Palavras-chave


Stevia rebaudiana; Asteraceae; cultura de calos; glicosídeos diterpenóides; adoçante

Texto completo:

PDF (baixado


DOI: http://dx.doi.org/10.4025/actascihealthsci.v29i2.1090

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN 1679-9291 (impresso) e ISSN 1807-8648 (on-line) e-mail: actahealth@uem.br

  

Resultado de imagem para CC BY