Nota de esclarecimento.

Quinta-feira, 11/10/2018 ocorreu um problema no sistema de periódicos da UEM. Em virtude disso, foi necessário restaurar um backup de 10/10/2018, quarta-feira 08h00.

Assim, solicitamos aos editores que revejam as atividades deste dia, pois elas foram perdidas e devem ser refeitas. Antecipadamente pedimos desculpas pelos transtornos, mas o problema foi alheio as nossas atividades.

Os guias de viagens de Fernando Pessoa e de Manuel Bandeira: uma leitura comparada

Danielle Alves Lopes, Rita Baleiro, Sílvia Quinteiro

Resumo


Este artigo apresenta uma leitura comparatista dos guias de viagem Lisboa: o que o turista deve ver (1925), de Fernando Pessoa, e Guia de Ouro Prêto (1938), de Manuel Bandeira, sob o prisma dos estudos em literatura e turismo. A leitura destaca a intenção autoral de cada um dos textos, associando-os ao contexto histórico e cultural no qual surgiram e às manifestações políticas pretendidas – visto serem esses guias não são só obras do modernismo, mas também expressões nacionalistas em busca da afirmação da identidade nacional. Adicionalmente, o artigo situa os guias de Pessoa e de Bandeira no panorama da historiografia do turismo e da literatura, quer em Portugal quer no Brasil, e sublinha o facto de haver em ambas perspetivas uma releitura das cidades, uma criação de mitos e um estímulo a um olhar atento – entre o plano da ficção e o do real – sobre os espaços citadinos de Lisboa e Ouro Preto.

 


Palavras-chave


Lisboa: o que o turista deve ver, Guia de Ouro Prêto; literatura e turismo; modernismo; nacionalismo; identidade nacional.

Texto completo:

PDF (baixado


DOI: http://dx.doi.org/10.4025/actascilangcult.v39i1.31383





ISSN 1983-4675 (impresso) e 1983-4683 (on-line) e-mail: actalan@uem.br

  

Resultado de imagem para CC BY