Vendredi ou Les Limbes du Pacifique: uma nova perspectiva do individualismo moderno na sociedade contemporânea - doi: 10.4025/actascilangcult.v35i1.6820

Jussara da Silva Rodrigues

Resumo


Considerado pelo crítico de literatura Ian Watt como um dos ‘mitos do individualismo moderno’, As Aventuras de Robinson Crusoe, de Daniel Defoe (1719), é um livro que exerceu e exerce grande influência no imaginário ocidental. Seu sucesso rendeu-lhe inúmeras reescrituras, conhecidas como ‘robinsoníadas’. Vendredi ou Les Limbes du Pacifique1, escrito em 1967 pelo francês Michel Tournier, é um dos intertextos mais ricos surgidos desde então. A adoção de uma perspectiva completamente nova rompe com o paradigma do homem branco civilizado e dota o texto de originalidade. Na nova versão, o individualismo de Robinson assume um caráter mais condizente com o pensamento da sociedade contemporânea. Este artigo busca, por meio de uma análise comparativa e de um estudo dos símbolos, ressaltar o potencial de Vendredi como mito do individualismo moderno na sociedade contemporânea.

 


Palavras-chave


Robinson Crusoe; primitivismo; individualismo; intertextualidade; Michel Tournier

Texto completo:

PDF (baixado


DOI: http://dx.doi.org/10.4025/actascilangcult.v35i1.6820





ISSN 1983-4675 (impresso) e 1983-4683 (on-line) e-mail: actalan@uem.br

  

Resultado de imagem para CC BY