Jogos e prática educativa como ferramenta para despertar o interesse sobre Fungos nas escolas

BRENDA KISCHKEL, valéria Brumato Regina

Resumo


A micologia é um campo de estudo voltado aos fungos, sendo estes, organismos essenciais para o meio ambiente e que atualmente são foco para o desenvolvimento de novos produtos e processos biotecnológicos. Apesar de deter extrema importância ambiental e econômica, este ainda é um tema negligenciado nas escolas. Sendo assim, este estudo objetivou desenvolver um jogo didático de carta e de uma sequência de aulas práticas, enfocadas na importância e aplicabilidade dos fungos, a fim de despertar o interesse dos alunos bem como promover a aprendizagem de conceitos científicos acerca da temática. Para tanto foram aplicados questionários antes e após o desenvolvimento do jogo e da sequência de aulas práticas. Os dados foram analisados por estatística simples. De acordo com os resultados obtidos, a maioria dos alunos não sabiam o que são fungos, os confundem com outros organismos e apresentam pouco interesse pelo tema. Após a realização da prática e aplicação do jogo foi verificado que os alunos passaram a compreender o que é um fungo, suas características e importância, tratando o assunto de forma diferente da inicial. Assim, pôde-se concluir  que a aplicação de aulas práticas e do jogo, aliados ao conteúdo expositivo, favoreceu o surgimento de interesse dos alunos pelo assunto bem como aprendizagem de conceitos acerca da temática trabalhada.



Palavras-chave


Micologia; Ensino; Recursos didáticos.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, V. C.; ARAÚJO, R. C. B. F.; SCHEFFER, A. M. M. Discussing learning and children development under the light of historical-cultural references. Disponível em . Acesso em 03 jun. 2017.

BATISTA, M. C., FUSINATO, P. A., BLINI, R. B. Reflexões sobre a importância da experimentação no ensino de Física. Acta Scientiarum Human and Social Sciences, 2009.

DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J. A. Metodologia no ensino de ciências. 2 ed. São Paulo: Cortez, 1994.

FALKEMBACH, G. A. M. O Lúdico e os Jogos Educacionais. Disponível: . Acesso em: 24 jan. 2017.

HODSON, D. Experimentos na ciência e no ensino de ciências. Educacional Philosophy and Theory, 20, 53 -66, 1988.

KRASILCHIK, M. O professor e o currículo das Ciências. São Paulo: EPU, 1987, p.80.

LACAZ, C.S.; PORTO, E.; MARTINS, J.C.E. Tratado de Micologia Médica. 9.Ed. São Paulo: Sarvier., 2002. 1104 p.

MORAES, ROQUE (org). Construtivismo e ensino de ciências: reflexões epistemológicas e metodológicas. 3 ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2008, p.230.

PEREIRA, A; FONSECA, K; MONTEIRO, G; ZANATA, M; FLORENCIA,V. Uso de materiais alternativos em aulas experimentais de química. CONGRESSO BRASILEIRO DE QUÍMICA, 2013, Rio de janeiro. Dísponível em: . Acesso em: 24 jan. 2017.

LIMA, K. E. C; TEIXEIRA, F. M;. A experimentação no ensino das ciências para a apropriação do conhecimento científico. Revista da Sbenbio, Pernambuco, n. 7, p. 4516-4527, 2014.

SANTANA, S. L. C; MENEZES JUNIOR, J. A. M; FOLMER, V; PUNTEL, R. L; SOARES, M. C. Sugestões para planejamento de atividades experimentais. Programa de pós graduação em educação em ciências: química da vida e saúde. Disponível em . Acesso em 31 jan. 2017.

KILLI, K; LAINEMA, T; DE FREITAS, S; ARNAB, S. Flow framework for analyzing the quality of educational games. Entertainment computing. v. 5, p. 367-377, 2014.

RIBEIRO, D. G; CATANEO, M. P; MEGLHIORATTI, F. AP. A construção conceitual sobre fungos e decomposição em aulas teórico - práticas no ensino médio. Atas do evento os estágios Supervisionados de ciências e biologia em debate ll. Cascavel, 2010.

SILVA, D. S. O reino Fungi nos livros didáticos de ciências. monografia. 2009, 36 f. Monografia (Especialização em Biologia) - Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.4025/arqmudi.v21i1.36848

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN: 1980-959X