Mini revisão: BIOATIVOS DE Libidibia ferrea E SUAS AÇÕES EM ODONTOLOGIA

Ricardo Nascimento Drozino, Maria José Pastre Zulin, Lucas Casagrande, Andréia Vieira Pereira

Resumo


Compostos bioativos de plantas são de extrema importância para a produção de novos medicamentos, principalmente quando se trata da medicina complementar. Em tratamentos odontológicos, dores e incômodos são recorrentes, levando o paciente, muitas vezes a interromperem ou pararem o tratamento sem o conhecimento de seu dentista. Dessa forma, bioativos e fitoterápicos, como os de Libidibia ferrea, que apresentam eficiência no tratamento de enfermidades bucais e ação contra microrganismos patógenos, são uma alternativa para tratamentos odontológicos mais eficientes. O extrato de L. ferrea favorece o interesse científico pela indústria odontológica e farmacêutica, por apresentar atividades analgésicas, anti-inflamatórias e de ação anti-bacteriana contra patógenos da cavidade bucal. A ineficiência de alguns compostos sintéticos, o alto custo na produção de alopáticos e o interesse da população por tratamentos menos agressivos favorecem a pesquisa científica nesse ramo. Por hora, mesmo com a comprovação da eficiência e da produção de medicamentos baseada em compostos bioativos de L. ferrea, seu uso é um tanto restrito em odontologia, um desafio a ainda ser explorado pela comunidade científica.


Palavras-chave


Odontologia, compostos bioativos, fitoterápico

Texto completo:

PDF

Referências


Souza e Silva MED, Villaça ÊL, Magalhães CSD, Ferreira EF (2010). Impact of tooth loss in quality of life. Ciência & Saúde Coletiva 15(3): 841-850.

Uemoto L, Macedo MEG, Alfaya TA, Souza FND, Barcelos R, Gouvêa CVD (2012). Impact of supportive therapy for otological changes in patients with temporomandibular joint disorders. Revista Dor 13(3): 208-212.

Groppo FC, Bergamaschi CDC, Cogo K, Franz‐Montan M, Motta RHL, Andrade EDD (2008). Use of phytotherapy in dentistry. Phytotherapy Research 22(8): 993-998.

Kumar G, Jalaluddin M, Rout P, Mohanty R, Dileep CL. (2013). Emerging trends of herbal care in dentistry. J Clin Diagn Res 7(8): 1827-1829.

Rates SMK (2001). Plants as source of drugs. Toxicon 39: 603-613.

Fejerskov O, Kidd E (2005). Cárie dentária: a doença e seu tratamento clínico. 1. ed. São Paulo: Santos.

Vieira DRP, Amaral FMM, Maciel MCG, Nascimento FRF, Libério AS (2014). Plantas e constituintes químicos empregados em Odontologia: revisão de estudos etnofarmacológicos e de avaliação da atividade antimicrobiana in vitro em patógenos orais. Rev. Bras. Pl. Med., Campinas 16(1): 135-167.

Carlini EA (2003). Plants and the central nervous system. Pharmacol Biochem Behav 75: 501-512.

Albuquerque UP, Hanazaki N (2006). As pesquisas etnodirigidas na descoberta de novos fármacos de interesse médico e farmacêutico: fragilidades e pespectivas. Rev Bras Farmacogn 16 (Supl.): 678-689.

Agra MF, Freitas PF, Barbosa-Filho JF (2007). Synopsis of the plants known as medicinal and poisonous in Northeast of Brazil. Brazilian J Pharmacognosy 17(1): 114-140.

Melo AFM, Albuquerque MM, Silva MAL, Gomes GC, Cruz ISV, et.al. (2006). Avaliação da toxicidade subcrônica do extrato bruto seco de Anacardium occidentale Linn em cães em cães. Acta Sci. Health Sci. 28(1): 37-41.

Queiroz LP (2009). Leguminosas da caatinga. Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, Brazil 288-291.

GRINN - USDA, ARS, National Genetic Resources Program. Germplasm Resources Information Network - (GRIN) [Online Database] (2015). National Germplasm Resources Laboratory, Beltsville, Maryland. URL: http://www.ars-grin.gov.4/cgi-bin/npgs/html/taxon.pl?8289.

Coelho RG (2004). Estudo químico de Zollernia ilicifolia (Fabaceae), Wilbrandia ebracteata (Cucurbitaceae) e Caesalpinia ferrea (Caesalpiniaceae). Thesis, Universidade Estadual Paulista, Araraquara.

Gonzalez FG, Barros SBM, Bachi EM (2004). Atividade antioxidante e perfil fitoquímico de Caesalpiniaferrea Mart. Braz J Pharmacol Scienc 40(1): 79.

Sampaio FC, Pereira MSV, Dias CS, Costa VCO, Conde NCO, Buzalaf MAR (2009). In vitro antimicrobial activity of Caesalpinia ferrea Martius fruits against oral pathogens. Journal of Ethnopharmacology 124: 289–294.

Cavalheiro MG, Farias DF, Fernandes GS, Nunes EP, Cavalcanti FS, Vasconcelos IM, Melo VMM, Carvalho AFU (2009). Atividades biológicas e enzimáticas do extrato aquoso de sementesde Caesalpinia ferrea Mart.,Leguminosae. Rev Bras Farmacogn 19: 586- 591.

Oliveira AF, Batista JS, Paiva ES, Silva AE, Farias YJMD, et.al. (2010). Avaliação da atividade cicatrizante do jucá (Caesalpinia ferrea Mart. ex Tul. var.ferrea) em lesões cutâneas de caprinos. Rev Bras Pl Med 12(3): 302-310.

Maia GN (2004). Caatinga: árvores e arbustos e suas utilidades. São Paulo: D&Z Computação Gráfica, Leitura & Arte 413p.

Boland GM, Donnelly DMX (1998) Isoflavonoids and related compounds. Nat Prod Rep 15, 241-260.

Hausen BM (2012). Woods. Kanerva's Occupational Dermatology 825-837p.

Guerra PM, Nodari OR (2001). Biodiversidade: aspectos biológicos, geográficos, legais e éticos. In: Simões MO. Farmacognosia: da planta ao medicamento. 3, 15p Porto Alegre: UFRGS; Florianópolis: UFSC.

Almeida CFBR, Lima e Silva TC, Amorim ELC, Maia MBS, Albuquerque UP. (2005). Life strategy and chemical composition as predictors of the selection of medicinal plants from the caatinga (Northeast Brazil). Journal of Arid Environments 62: 127-142.

Souza AB, Souza LMS, Carvalho JCT, Maistro EL (2006). Non clastogenic activity of Caesalpinia ferrea Mart. (Leguminosae) extract on bone marrow cells of Wistar rats. Genetics and Molecular Biology 29(2): 380-383.

Santos RI (2003). Metabolismo básico e origem dos metabólitos secundários. In: Simões CMO, Sebenkel EP, Gosmann G, Mello JCP, Mentz LA, Petrovick PR. Farmacognosia: da planta ao medicamento. 5 ed. rev. Ampl. – Porto Alegre/Florianópolis: Editora da UFRG/Editora da UFSC. P 403-434.

Taiz L, Zeiger E (2004). Plant physiology. California, The Benjamin/Cummings Publishing CO., 512-583p.

Nakamura ES, Kurosaki F, Arisawa M, Mukainaka T, Takayasu J, et.al. (2002). Cancer chemopreventive effects of a Brazilian folk medicine, Juca, on in vivo two-stage skin carcinogenesis. J Ethnopharmacol 81: 135–137.

Ueda H, Tachibana Y, Moriyasu M, Kawanishi K, Alves SM (2001). Aldose reductase inhibitors from the fruits of Caesalpinia ferrea Mart. Phytomedicine 8: 377–381.

Nozaki H, Hayashi K, Kido M, Kakumoto K, Ikeda S, et.al. (2007). Pauferrol A, a novel chalcone trimer with a cyclobutane ring from Caesalpinia ferrea Mart exhibiting DNA topoisomerase II inhibition and apoptosis-inducing activity. Tetrahedron Letters, 48: 8290–8292.

Oliveira FQ, Gobira B, Guimarães C, Batista J, Barreto M, Souza M (2007). Espécies vegetais indicadas na odontologia. Revista Brasileira de Farmacognosia 17(3).

Cavalcante R (2008). As plantas medicinais na Odontologia: um guia prático. Expressão Gráfica, Rio Branco.

Pinheiro MLP, Andrade ED (2008). Phytotherapeutics in dentistry: an alternative to conventional drugs. Rev. ABO Nac. 16(2): 1-8.

Araújo JN Sakamoto KS Butel PS Santos RF, Vieira SR, Melo S (2010). Um estudo das causas e consequências da cárie dentária em crianças de 6 a 12 anos moradoras do bairro Itaúna II no município de Parintins/AM. Anais: 62ª Reunião Anual da SBPC, Natal, Brasil.

Soares DGS, Oliveira CB, Leal C, Drumond MRS, Padilha WWN (2006). Susceptibility in vitro of the buccal bacterias to phytotherapics tinctures.Revista Odonto Ciência – Faculdade de Odonto/PUCRS, 21(53): 12-16.

Barakat L (2011). Avaliação da viabilidade de obtenção de formas farmacêuticas plásticas contendo extrato seco de Caesalpinia ferrea Mart. Thesis (Mestrado in Ciências Farmacêuticas), Universidade Federal do Amazonas, Manaus. 100f.

Marreiro RO (2011). Caesalpinia ferrea L.: avaliação da atividade antimicrobiana, controle de qualidade e compatibilidade biológica de uma formulação de enxaguatório bucal. Thesis (Mestrado in Saúde Sociedade e Endemias da Amazônia) UFAM.

Marreiro RO, Bandeira MFCL, Souza TPS, Almeida MC, Bendaham K, et.al. (2014). Evaluation of the Stability and Antimicrobial Activity of an Ethanolic Extract of Libidibia ferrea. Clinical, Cosmetic and Investigational Dentistry, 6 9–13.

Correa NM, Camargo FB, Ignácio RF, Leonardi GR (2005). Avaliação do comportamento reológico de diferentes géis hidrofílicos.RevistaBrasileira de Ciências Farmacêuticas 41(1): 74-78.

Francisco KSF (2010). Fitoterapy: an option in odontological treatment. Revista Saúde da Faculdade de Odontologia de Araçatuba – FOA/UNESP. 4(1): 50-56.

Carvalho JCT, Teixeira JRM, Souza PJC, Bastos JK, Filho DS, Sarti SJ (1996). Preliminary studies of analgesic and anti-inflammatory properties of Caesalpiniaferrea crude extract. J Ethnopharmacol 53:175–178.

Nakamura ES, Kurosaki F, Arisawa M, Mukainaka T, Takayasu J, et.al. (2002). Cancer chemopreventive effects of Caesalpinia ferrea and related compounds. Cancer Letters 177(2,) 119-24.




DOI: http://dx.doi.org/10.4025/arqmudi.v21i1.37807

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN: 1980-959X