Metodologia da problematização em um curso de farmácia: produção de uma revista digital sobre erros laboratoriais

Silvana Machareth, Jorge Cardoso Messeder

Resumo


Este trabalho trata da produção e utilização didática, na disciplina Estágio III em Análises Clínicas do curso de Graduação em Farmácia, do IFRJ-Realengo, de uma revista digital que abordava os principais erros encontrados em medicina laboratorial. Os alunos participantes do estudo foram orientados a pesquisar situações-problemas vivenciadas, nos locais de estágios, que pudessem ser simuladas em vídeos que fariam parte da referida revista. A utilização do Arco de Maguerez delineou o caminho metodológico para a pesquisa e possibilitou aos futuros farmacêuticos não só uma análise criteriosa e reflexiva sobre os erros laboratoriais discutidos, mas também um planejamento esquematizado para que os resultados fossem abordados nas aulas. O estudo demonstrou que a revista digital ajudou os alunos a analisarem situações reais e se constitui, portanto, num recurso midiático que pode ser útil em cursos da área de ensino das ciências da saúde.


Palavras-chave


Erros laboratoriais; Revista digital; Arco de Charles Maguerez.

Texto completo:

PDF (baixado

Referências


ALMEIDA, M.M.; MORAIS, R.P.; GUIMARÃES, D.F.; MACHADO, M.F.A.S.; DINIZ, R.C.M.; NUTO, S.A.S. Da teoria à prática da interdisciplinaridade: a experiência do pró-saúde UNIFOR e seus nove cursos de graduação. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 119, n. 36, p. 119-126, 2012.

ALVES, E.M.; MESSEDER, J.C. Produção de um recurso audiovisual com enfoque CTS como instrumento facilitador do ensino experimental de ciências. Experiências em Ensino de Ciências, n. 6, p. 100-117, 2011.

ALVES, M.N.T.; MARX, M.; BEZERRA, M.M.M.; LANDIM, J.M.M. Metodologias pedagógicas ativas na educação em saúde. Revista Multidisciplinar e de Psicologia, v. 10, n.3, p. 112-125, 2017.

ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Resolução RDC nº 302, de 13 de outubro de 2005. Dispõe sobre Regulamento Técnico para funcionamento de Laboratórios Clínicos. Diário Oficial da União, Brasília, 14 out. 2005.

ARRUDA, A.P.D; MATA, C.P.S.M; MARTINS, R.F.; PACHECO, M.S.P. A aplicação da metodologia da problematização em projeto de extensão: um relato de experiência em uma em uma comunidade cigana. Revista Doc. Ens. Sup, v. 5, n. 1, p.113-134, 2015.

BEHRENS, M.A. Projetos de aprendizagem colaborativa num paradigma emergente. In: MORAN, J.M; MASETTO, M.T; BEHRENS, M.A. Novas tecnologias e mediação pedagógica. 3. ed. Campinas: Papirus, 2000. p. 67-132.

BERBEL, N.A.N. A problematização e a aprendizagem baseada em problemas. Interface, Botucatu, n. 2, p. 139-154, 1998.

______. Metodologia da problematização: respostas de lições extraídas da prática, Semina: Ciências Sociais e Humanas, v. 35, n. 2, p. 61-76, 2014.

BORDENAVE, J.D; PEREIRA, A.M. Estratégias de ensino-aprendizagem. 25. ed. Petrópolis: Vozes, 2004.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação (CNE). Resolução de 19 fev. 2002. Dispõe sobre a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da Educação Básica em nível superior. Brasília: Diário Oficial da União, 04 mar. 2002.

COLOMBO, A.A.; BERBEL, N.A.N. A Metodologia da Problematização com o Arco de Maguerez e sua relação com os saberes de professores. Semina: Ciências Sociais e Humanas, v. 28, n.2, 121-146, 2007.

FREIRE, L.I.F.; FERNANDEZ, C. O professor universitário novato: tensões, dilemas e aprendizados no início da carreira docente. Ciência & Educação, v. 21, n.1, p. 255-272, 2015.

GARCIA, F.W. A importância do uso das tecnologias no processo de ensino-aprendizagem. Revista Educação a Distância. Batatais, v. 3, n. 1, p. 25-48, jan./dez. 2013.

GIORDAN, M. Computadores e linguagens nas aulas de Ciências: uma perspectiva sociocultural para compreender a construção de significados. Coleção Educação em Ciências. Ijuí: Unijuí, 2013.

GOMES, L.M.J. B; MESSEDER, J.C. Revista digital como recurso tecnológico para o ensino de bioquímica na educação básica. Revista Virtual de Química, v. 7, n.3, p. 950-961, 2015.

LEMOS, A. Cibercultura: tecnologia e vida social na cultura contemporânea. Porto Alegre: Sulina, 2013.

MARTINS, M.C. Situando o uso da mídia em contextos educacionais. Programa de Formação Continuada de Mídias na Educação. 2009.

MASETTO, M. (org.). Docência na universidade. Campinas: Papirus, 1998.

NOGUEIRA, R. P. Perspectivas da qualidade em saúde. Rio de Janeiro: Quality Mark, 1994.

OLIVEIRA, C.C.; VASCONCELLOS, M.M.M.; BERBEL, N.A.N. Formação continuada do professor universitário: orientação de estágio com pesquisa. Educ. em Foco, v. 20, n. 3, p. 67-98, 2016.

PAIVA, J. As tecnologias de informação e comunicação: utilização pelos alunos. Lisboa: Ministério da Educação Departamento de Avaliação Prospectiva e Planejamento, 2003.

SARTORI, A.F.; RAMOS, E.M. Ferramentas audiovisuais como instrumento no ensino de física. XVII Simpósio Nacional de Ensino de Física. 2007. São Luís, Maranhão, 2007.

SOBRAL, F.; CAMPOS, C.J.G. Utilização de metodologia ativa no ensino e assistência de enfermagem na produção nacional: revisão integrativa. Rev. Esc. Enferm., USP, v. 46, n.1, p. 208-218, 2012.

TERUYA, T.K.; MORAES, R.A. Mídias na educação e formação docente. Linhas Críticas, v.15, n. 29, p. 327-343, 2009.

VIEIRA, M.N.C.M; PANÚNCIO-PINTO, M.P. A Metodologia da Problematização (MP) como estratégia de integração ensino-serviço em cursos de graduação na área da saúde. Medicina (Ribeirão Preto. Online), Ribeirão Preto, v. 48, n. 3, p. 241-248, jun. 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.4025/arqmudi.v1i1.40447

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN: 1980-959X