A EVOLUÇÃO E POTENCIALIZAÇÃO DO Aedes aegypti EM RELAÇÃO ÀS DOENÇAS NO BRASIL E NO ESTADO DO PARANÁ

Flávio Henrique Ragonha, Rudiney Giovanne nowak

Resumo


O presente trabalho busca realizar uma análise sobre o comportamento epidemiológico das doenças potencializadas em relação ao Aedes aegypti no estado do Paraná, especialmente entre os anos de 2007 e 2017. Dentre estas, destacam-se a dengue, zika vírus, febre amarela e febre chikungunya. A incidência e/ou proliferação do mosquito transmissor destas epidemias nos grandes centros urbanos é extremamente preocupante, levando-se em conta a propulsão destas doenças. O estilo de vida atual, influenciado pelo consumismo, traz como resultado o aumento na produção de resíduos sólidos, que por sua vez são criadouros propícios para o mosquito Aedes e colaboram para a rápida proliferação do mesmo. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), estima-se que aproximadamente 80 milhões de pessoas sejam infectadas, anualmente, pelos vírus transmitidos pelo mosquito; enquanto uma média de 550 mil pessoas necessita de hospitalização e cerca de 20 mil pessoas morre devido às complicações causadas pelas doenças relacionadas ao A aegypti. Dentre as doenças tropicais existentes, a que mais está acometendo a população brasileira é a dengue, a qual pode ser clássica ou hemorrágica, como também pode ocorrer a síndrome do choque da dengue. Além disso, na atualidade, surgiram no Brasil outras variações do vírus transmitido pelo mosquito A aegypti, como o zika vírus e a febre chikungunya. Acredita-se que a origem do vírus transmissor seja antiga; há relatos de sua incidência na América há mais de 200 anos, enquanto no Brasil existem registros de várias epidemias desde o século XIX. Portanto, concluímos que devem ser tomadas providencias cabíveis quanto à proliferação desse mosquito, uma vez que sua evolução está relacionada a um problema de saúde pública, sendo necessárias medidas de prevenção a curto e longo prazo.


Palavras-chave


ensino de ciências, zoologia

Texto completo:

PDF (baixado

Referências


BENETI, G. M.; SILVA, D. L. D.Síndrome de Guillain-Barré. Londrina, Semina: Ciências Biológicas e Saúde, v. 27, n. 1, p. 57-69, jan./jun. 2006.

BRASIL.Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde – Ministério da Saúde Volume 46 Nº 20 – 2015 ISSN 2358-9450.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Vigilância em saúde: Dengue, Esquistossomose, Hanseníase, Malária, Tracoma e Tuberculose / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica / - Brasília: Ministério da Saúde, 2007.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Febre de chikungunya: manejo clínico / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Secretaria de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde (MS). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Diretrizes nacionais para a prevenção e controle de epidemias de dengue. In: PESSOA, et. al. Controle da dengue: os consensos produzidos por Agentes de Combate às Endemias e Agentes Comunitários de Saúde sobre as ações integradas. Goiás, Universidade Federal de Goiás, 03 mai. 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Doenças infecciosas e parasitárias: guia de bolso / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. – 8. ed. rev. – Brasília:Ministério da Saúde, 2010.

BRÍGIDO, H. Febre amarela: sintomas, tratamentos e causas. In: MINHA VIDA. COM.BR. Disponível em: Acesso em 19 de jan. 2018.

BRITO, N. Como identificar e tratar a icterícia neonatal. 1 mai. 2016. Disponível em: Acesso em: 04 nov. 2017.

_________. Condições para a transmissão da febre do vírus chikungunya. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 23, n. 4, p. 773-774, dez. 2014.

COSTA, M. A. R. A ocorrência do Aedes aegypti na região noroeste do Paraná: um estudo sobre a epidemia da dengue em Paranavaí – 1999, na perspectiva da geografia médica. 2001. P. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2001.

_________. Doença pelo vírus Zika: um novo problema emergente nas Américas? Revista Pan-Amazônica de Saúde, v. 6, n. 2, p. 9-10, jun. 2015.

DONALISIO, M. R.; FREITAS, A. R. R. Chikungunya no Brasil: um desafio emergente. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 18, n. 1, p. 283-285, jan/mar, 2015.

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ (FIOCRUZ). A diferença entre os sintomas de vírus zika, dengue e febre chikungunya. Rio de janeiro, Fiocruz, 18 jan. 2016c. Disponível em: Acesso em: 06 dez. 2017.

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ (FIOCRUZ). Brasil vive epidemia de microcefalia? Rio de janeiro, Fiocruz, 18 jan. 2016e. Disponível em: Acesso em: 06 dez. 2017.

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ (FIOCRUZ). Dengue (imagem). Rio de Janeiro, Fiocruz, 2015. Disponível em: Acesso em: 06 dez. 2017.

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ (FIOCRUZ). Existe relação entre a microcefalia e o zika vírus? Rio de Janeiro, Fiocruz, 18 jan. 2016b. Disponível em: Acesso em: 06 dez. 2017.

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ (FIOCRUZ). Existe relação entre a Síndrome de Guillain-Barré e zika? Rio de janeiro, Fiocruz, 20 jan. 2016a. Disponível em: Acesso em: 06 dez. 2017.

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ (FIOCRUZ). O que causa microcefalia? Rio de janeiro, Fiocruz, 18 jan. 2016d. Disponível em: Acesso em: 06 dez. 2017.

FORATTINI, O. P. Ecologia, Epidemiologia e Sociedade. São Paulo: Artes Médicas-Universidade de São Paulo, 1992, 529 p.

HOSPITAL ALVORADA. GUIA DE PATOLOGIAS E TRATAMENTOS. São Paulo, 2017?. Disponível em: Acesso em: 04 nov. 2017.

INSTITUTO OSWALDO CRUZ.Dengue: vírus e vetor. Instituto Oswaldo Cruz (IOC), s. d. Disponível em: Acesso em: 23 jan. 2018.

JORNAL G1. Pesquisa aponta que número de focos da dengue diminuiu em Maringá. Maringá, Jornal G1, 05 mai. 2017. Disponível em: Acesso em: 06 dez. 2017.

JUNQUEIRA, F. M. et. al. A origem do zika vírus e a microcefalia. Carta Educação. [2015]. Disponível em: . Acesso em: 03 ago. 2017.

LINHARES, S. Biologia: volume único: livro do professor. – 1. ed. – São Paulo: Ática, 2005.

LOUISE, C. Iniciação Científica. In: TOLEDO, K. Evolução do mosquito da dengue é rápida, diz estudo. São Paulo, Revista Exame, 9 nov. 2015. Disponível em: Acesso em: 26 nov. 2017.

MAROS, A. 30 cidades do Paraná terão vacinação contra a dengue. Paraná, Gazeta do Povo, 26 jul. 2016. Disponível em: Acesso em: 06 dez. 2017.

MÉDICOS SEM FRONTEIRAS (MSF). Dengue. MSF, 2016?. Disponível em: Acesso em 06 dez. 2017.

MELO, A. L. A. et al. Distribuição espacial da dengue no estado do Paraná, Brasil, em 2009-2012. Revista de Epidemiologia e Controle de Infecção, v. 4, n. 4, p. 223-228, 2014.

MINISTÉRIO DA SÁUDE. SUPERINTENDÊNCIA DE CAMPANHA DE SAÚDE PÚBLICA. Combate ao Aedes aegypti / Aedes albopictus– Instruções para Guardas, Guardas-Chefes e Inspetores / Ministério da Saúde, Superintendência de Campanha de Saúde Pública. – 5ª. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 1990.

NORONHA, J. C.; PENNA, G. O. Entrevista. In: PESSOA et. al. Controle da dengue: os consensos produzidos por Agentes de Combate às Endemias e Agentes Comunitários de Saúde sobre as ações integradas. Goiás, Universidade Federal de Goiás, 03 mar. 2016, p. 2329-2339.

OSORIO, T. C. Ser protagonista: biologia, 2° ano: ensino médio / obra coletiva concebida, desenvolvida e produzida por Edições SM. – 2. ed. – São Paulo: Edições SM, 2013.

PARANÁ. Governo do Estado do Paraná. Secretaria de Estado da Saúde – SESA. Situação da dengue, chikungunya e zika vírus no Paraná – 2016/2017. Curitiba: Secretaria de Estado de Saúde, 2017.

PUFF, J. Rio 2016 escancara crise do modelo dos Jogos Olímpicos ‘como nunca antes’, diz pesquisador dos EUA. Rio de Janeiro, BBC Brasil, 12 jun. 2016. Disponível em: Acesso em: 07 dez. 2017.

SANTOS, F. S.; AGUILAR, J. B. V.; OLIVEIRA, M. M. A. (org.). Biologia: ensino médio, 3° ano. – 1. ed. – São Paulo: Edições SM, 2010.

SETÚRBAL, S. Febre amarela. [s. d.]. In: Scribd.com. Disponível em: Acesso em: 04 nov. 2017.

SECRETARIA DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO. Capacitação em serviço: dengue (imagem). In: SlideShare.net, 27 fev. 2012. Disponível em: Acesso em 04 nov. 2017.

TAUIL, P. L. Aspectos críticos do controle da dengue no Brasil. Cad. Saúde Pública, v. 18, n. 3, p. 867-871, 2002.

TAVARES, et. al. Síndrome de Guillain Barre. In: BENETI, Giselle Maria; SILVA, Dani LuceDoro da. Síndrome de Guillain-Barré. Londrina, Semina: Ciências Biológicas e Saúde, v. 27, n. 1, p. 57-69, jan./jun. 2006.

TOLEDO, K. Evolução do mosquito da dengue é rápida, diz estudo. São Paulo, Revista Exame, 9 nov. 2015. Disponível em:< https://exame.abril.com.br/ciencia/evolucao-do-mosquito-da-dengue-e-rapida-diz-estudo/> Acesso em: 26 nov. 2017.

VARELLA, D. O quadro clínico da dengue. Disponível em: Acesso em 20 nov. 2017.

VASCONCELOS, P. F. C. Febre Amarela. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 36, n. 2, p. 275-293, mar./abr., 2003.

ZUCCHI, P. Os desafios da dengue. Sorocaba, Revista Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba, v. 18, n. 2, 26 abr. 2016; p. 121-122. Disponível em:< https://revistas.pucsp.br/index.php/RFCMS/article/view/27551/pdf> Acesso em: 26 nov. 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.4025/arqmudi.v1i1.41521

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN: 1980-959X