Mapeamento por imagens de sensoriamento remoto evidencia o bioma Pampa brasileiro sob ameaça - doi: 10.4025/bolgeogr.v29i2.12366

Samuel Santos, Lucas Gonçalves da Silva

Resumo


Os campos do Rio Grande do Sul são formados por ecossistemas naturais com alta diversidade de seres vivos que contribuem com serviços ambientais importantes, como a conservação de recursos hídricos, a disponibilidade de polinizadores e o provimento de recursos genéticos, além de constituírem uma grande fonte forrageira para a pecuária do sul do Brasil. Por meio do uso do processo de classificação não supervisionada aplicado em dados de imagens adquiridas pelo satélite LANDSAT-7, obteve-se um padrão de cobertura do solo presente no bioma investigado (porção brasileira do Pampa). A aplicação do método de classificação realizado em nove cenas pixel 30x30m evidenciou que restam pouco mais de 40% de vegetação natural no Pampa gaúcho, sendo, aproximadamente, 32% campestre e 08% florestal. A área total coberta por corpos d’água alcança quase 09%, e ações antrópicas (urbanas e rurais - incluindo pastagens, silvicultura e agricultura intensiva) abrangeram quase 51% da área investigada. Esses resultados sugerem a necessidade de imediatas ações ambientais visando à recuperação e à conservação da biodiversidade dos campos sulinos.



Palavras-chave


Pampa; geoprocessamento; Campos sulinos; Sensoriamento remoto

Texto completo:

PDF (baixado


DOI: http://dx.doi.org/10.4025/bolgeogr.v29i2.12366



ISSN 2176-4786 (on-line) e-mail: dge-boletim@uem.br