Características e percepções dos alunos de uma escola rural, em Selvíria (MS), sobre a vida no campo e o futuro - doi: 10.4025/bolgeogr.v30i3.17307

Divanir Zaffani Sant Ana, Antonio Lázaro Sant´Ana

Resumo


A educação do campo busca valorizar e resgatar a cultura das pessoas que moram no campo por meio de conteúdos e metodologias que trabalham o cotidiano do aluno. Este estudo com os alunos da Escola Municipal Rural São Joaquim Pólo, em Selvíria (MS), teve como objetivo entender a visão dos alunos sobre o campo e seus projetos para o futuro, enquanto moradores e filhos de agricultores familiares assentados e de trabalhadores rurais de fazendas do entorno. A pesquisa envolveu 63 alunos dos 4º, 5º, 8º e 9º anos que responderam a um questionário, sendo que os alunos dos 4º e 5º anos fizeram ainda um desenho retratando a vida que levavam no campo. A análise dos resultados da pesquisa mostrou que a grande maioria dos alunos gosta de vários aspectos da vida no campo, mas a falta de infraestrutura mínima nos assentamentos e fazendas e também a luta diária de trabalho dos seus familiares, sem retorno financeiro suficiente para melhorar a condição de vida, leva quase todos a descartar o trabalho como agricultor e a maioria a desejar um futuro na cidade. Entre os alunos com menor idade há menor rejeição em continuar no campo, possivelmente porque ainda possuem uma relação mais lúdica com o meio rural.


Palavras-chave


Educação do campo; Profissão que os alunos almejam; Visão dos alunos sobre a vida do campo; Jovens rurais

Texto completo:

PDF (baixado


DOI: http://dx.doi.org/10.4025/bolgeogr.v30i3.17307



ISSN 2176-4786 (on-line) e-mail: dge-boletim@uem.br