MAPEAMENTO DA GRIPE A (Influenza A – H1N1) NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL NO PERÍODO DE JANEIRO A OUTUBRO DE 2012: CASOS CONFIRMADOS, ÓBITOS E CURAS

João Paulo Delapasse Simioni, Cássio Arthur Wollmann

Resumo


Este trabalho teve por objetivo a realização do mapeamento dos casos notificados, curas e óbitos confirmados por influência da Gripe A no Estado do Rio Grande do Sul, através de uma ampla pesquisa no banco de dados da Secretária Estadual de Saúde do Rio Grande do Sul, durante o período de janeiro a outubro de 2012, com o intuito de identificar os números de casos e as cidades as quais obtiveram a presença do vírus influenza A (H1N1). Após a identificação dos casos, curas e óbitos realizou-se com o software Arcview (ArcGIS 9.3) o mapeamento e análise das cidades que registraram a presença do vírus na tentativa de explicar a ligação da ocorrência do vírus e também criar alternativas de planejamento e distribuição de vacinas nas cidades de maiores ocorrências de gripe A. Os resultados de janeiro a outubro de 2012 demonstram que a capital e também a cidade mais povoada do Estado, Porto Alegre, foi a cidade que mais apresentou casos confirmados de Gripe A (113 casos) seguida das cidades vizinhas de Alvorada (18 casos), Viamão (17 casos) e Gravataí (16 casos), as quais, fizeram da Região Metropolitana de Porto Alegre, a região com maior registro de casos confirmados de Gripe A.  Assim como a cidade de maior registro de ocorrência do vírus Porto Alegre foi a cidade com mais curas de Gripe A (95 curas até 10 de outubro de 2012), seguida de Cruz Alta no Planalto médio do Rio Grande do Sul com 21 curas dos 23 casos confirmados.  Já os resultados de óbitos confirmados por influência da gripe A, na cidade de Porto Alegre verificou-se o maior número (10 óbitos) até o dia 10 de outubro, sendo que até o final da coleta dos dados 08 pacientes com casos confirmados ainda estavam hospitalizados. A segunda cidade com maior número de óbitos foi São Borja, na fronteira noroeste do Estado com 05 casos que vieram a óbitos. Cruz Alta havia que obteve 22 casos confirmados de Gripe A, apresentou 20 casos de curas e apenas 02 óbitos, sendo a segunda cidade do Estado com maior índice de cura dos casos de Gripe A. Deste modo, verificou-se através da interpretação dos mapas que o vírus H1N1 esta ainda em circulação de maneira ativa, de modo que, a prevenção por parte da população, como vacinação e cuidados básicos ainda é a melhor maneira de controlar este agente que desde o ano de 2009 contabiliza dezenas de óbitos no Estado do Rio Grande do Sul.


Palavras-chave


Geoprocessamento. Gripe A. Rio Grande do Sul.

Texto completo:

PDF (baixado


DOI: http://dx.doi.org/10.4025/bolgeogr.v33i1.20221



ISSN 2176-4786 (on-line) e-mail: dge-boletim@uem.br