CLIMA, AMBIENTE URBANO E QUALIDADE DE VIDA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS MORADORES DA PERIFERIA BELENENSE DO CARMELÂNDIA SOBRE O CONFORTO/DESCONFORTO TÉRMICO

Antônio de Pádua de M. dos S. Brasil, Mauro Emílio Costa Silva, Willame de Oliveira Ribeiro

Resumo


 

No âmbito dos estudos de climatologia urbana a discussão sobre conforto/desconforto térmico possui grande relevância, pois se refere a uma problemática de grande implicação na qualidade de vida da sociedade. Este trabalho tem como lócus uma periferia conhecida como Carmelândia em Belém do Pará e a sua problemática está assim definida: qual a relevância do conforto/desconforto térmico para a qualidade de vida da população da área periférica em questão? Quais as práticas e a percepção da população em relação ao conforto/desconforto térmico? Mediante levantamentos bibliográficos e trabalho de campo com aplicação de entrevistas com população residente constatou-se a existência de uma forte relação entre o conforto/desconforto térmico e a qualidade de vida dos habitantes. O desconforto térmico é mais percebido pelos moradores no período de algumas horas do dia e se relaciona às elevadas temperaturas e umidade do ar típicos da região amazônica, mas também diz respeito a fatores mais localizados, como a própria produção do espaço urbano na localidade, que privilegia o concreto e o asfalto em detrimento da arborização.



Palavras-chave


Conforto/desconforto térmico. Qualidade de vida. Periferia urbana.

Texto completo:

PDF (baixado


DOI: http://dx.doi.org/10.4025/bolgeogr.v33i2.23296



ISSN 2176-4786 (on-line) e-mail: dge-boletim@uem.br