ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MODELOS DIGITAIS DE ELEVAÇÃO COM DISTINTAS CARACTERÍSTICAS DE PROCESSAMENTO E AQUISIÇÃO

Ricardo Michael Pinheiro Silveira, Claudinei Taborda da Silveira

Resumo


A utilização cada vez mais abrangente de Modelos Digitais de Elevação (MDEs) denota a necessidade do reconhecimento das limitações e potencialidades da modelagem e seus efeitos nos produtos derivados. Nessa perspectiva, o presente trabalho tem como objetivo analisar, por cálculos estatísticos comparativos, matriz de confusão e técnicas de geoprocessamento, as diferenças inerentes entre MDEs com distintas características de aquisição na área de estudo que compreende a porção central da Serra do Mar no estado do Paraná, Brasil. Primeiramente foram avaliados os efeitos da variação do tamanho de célula (5, 10, 15 e 20 metros) de um Modelo Digital do Terreno (MDT) interpolado pelo método Topogrid a partir de base vetorial planialtimétrica na escala 1:25.000, tanto para os valores de altimetria quanto para os atributos topográficos declividade, plano de curvatura e índice topográfico de umidade. Posteriormente foram realizados testes entre o MDT Topogrid e outros MDEs amplamente utilizados e de resolução mais grosseira: MDEs SRTM (90m v1, 90m v4, 30m v1,  banda-C versão 4 e banda X), Aster GDEM e MDEs do acervo Topodata. Os resultados evidenciaram as discrepâncias entre os MDEs, destacando que o emprego dos modelos para fins específicos deve se pautar em rigorosos critérios metodológicos. Conclui-se que a aplicação dos MDEs deve ser condizente à escala dos dados, aos métodos de processamento dos modelos, à escolha da resolução horizontal e aos algoritmos empregados no cálculo de atributos topográficos.


Palavras-chave


Geomorfometria. Modelagem geomorfológica. Análise Digital do Terreno. MDE.

Texto completo:

PDF (baixado


DOI: http://dx.doi.org/10.4025/bolgeogr.v33i0.31930



ISSN 2176-4786 (on-line) e-mail: dge-boletim@uem.br