Inclusão ocupacional: perspectiva de pessoas com esquizofrenia

Luciane Carniel Wagner, Elton Corrêa Borba, Marilene Santos Silva

Resumo


O estudo investigou sujeitos com esquizofrenia, familiares e colegas de atividade/trabalho na busca do entendimento dos fatores que dificultam ou contribuem para a inclusão ocupacional de pessoas com este transtorno mental. Utilizou-se a metodologia qualitativa, por meio de entrevistas narrativas, na busca de conhecer a percepção destes sujeitos sobre a temática de interesse. Foram feitas entrevistas individuais com 20 sujeitos. Estas foram gravadas e, posteriormente, transcritas para análise de conteúdo. Três temáticas emergiram dos discursos. Na categoria aderência ao tratamento, os participantes falam da importância do diagnóstico e do tratamento clínico/medicamentoso para a manutenção de um funcionamento saudável. Na categoria estigma e exclusão, os sujeitos apontam para as dificuldades de participar da vida social após o diagnóstico; o preconceito e as dificuldades funcionais são relacionados a este achado; assim como sentimentos de inutilidade e baixa autoestima. Na categoria ocupação e sentido da vida, os participantes apontam para o resgate do desejo de desfrutar a vida e se realizar como pessoa a partir da possibilidade de exercer atividades significativas; os sujeitos refletem sobre o impacto da atividade ocupacional nos relacionamentos familiares e comunitários, além de enfatizarem a melhora no padrão de funcionamento e desempenho após a experiência de inclusão.  Conclui-se que devem ser feitos esforços no sentido de ampliar as oportunidades de inclusão ocupacional para pessoas com esquizofrenia e outros transtornos mentais graves e de longa evolução.

Palavras-chave


Inclusão ocupacional; esquizofrenia; estigma.

Texto completo:

PDF PDF (English) (baixado

Referências


Amaddeo, F. , Barbui, C. & Tansella, M. (2012). State of psychiatry in Italy 35 years after psychiatric reform. A critical appraisal of national and local data International. Review of Psychiatry, 24( 4), 314-320.

Arendt H. Eichmann em Jerusalém: um relato sobre a banalidade do mal (2001). São Paulo: Companhia das Letras (Originalmente publicado em 1963).

Bauer, M.W. & Gaskell, G. (2008). Pesquisa Qualitativa com Texto, Imagem e Som – um manual prático.7ª Edição. Petrópolis: Vozes.

Boardman, J.& Rinaldi, M. (2013). Difficulties in implementing supported employment for people with severe mental health problems. The British Journal of Psychiatry, 203(3), 247-249.

Botha, U. A., Koen, L., Joska, J. A., Parker, J. S., Horn, N., Hering, L. M. & Oosthuinzen, P. P. (2010). The revolving door phenomenon in psychiatry: comparing low-frequency and high-frequency users of psychiatric inpatient services in a developing country. Social Psychiatry and Psychiatric Epidemiology, 45(4), 461-468.

Lei nº. 8213, de 24 de Julho de 1991. (1991, 24 de julho). Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República: Casa Civil. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8213cons.htm. Acesso em 29 de setembro de 2014.

Carvalho, F.T., Morais, N.A., Koller, S.H. & Piccinini, C.A. (2007). Fatores de proteção relacionados à promoção de resiliência em pessoas que vivem com HIV/AIDS. Cadernos de Saúde Pública [online], 23(9), 2023-2033.

Cheng, T., Wood, E., Nguyen, P., Kerr, T. & DeBeck, K. (2014). Harm Reduction Journal, 11: 12, 1-6. Recuperado em 29 de setembro de 2014, de http://www.harmreductionjournal.com/content/11/1/12.

Duckworth, K., Halpern, JH, Schutt, RK & Gillespie, C. (2003). Use of Schizophrenia as a Metaphor in U.S. Newspapers. Psychiatric Services, 54(10), 1402-1404.

DSM-V (2014). Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. 5ª edição. Porto Alegre: Artmed.

Filizola, C.L.A., Teixeira, I.M.C., Milioni, D.B. & Pavarini, S.C.L. (2011). Saúde mental e economia solidária: a família na inclusão pelo trabalho. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 45(2), 418-425.

Freud, S. (1996). Recomendações aos médicos que exercem psicanálise. In: Freud, S. Coleção completa das obras de Sigmund Freud, V. XII. Rio de Janeiro: Imago (Original publicado em 1912).

Foucault, M. (2005). História da loucura. 8ª Edição. São Paulo: Perspectiva (Originalmente publicado em 1964).

Jablensky, A., Sartorius, N., Ernberg, G., Aanker, M., Korten, A., Cooper, J.E., Day, R. & Bertelsen, A. (1992). Schizophrenia: manifestations, incidence and course in different cultures. A World Health Organization Ten-Country Study. Psychological Medicine, Monog.suppl, 20, 1-97.

Johnson, S., Sathyaseelan, M., Charles, H., Jeyaseelan, V. & Jacob, K. S. (2012). Insight, psychopathology, explanatory models and outcome of schizophrenia in India: a prospective 5-year cohort study. BMC Psychiatry, 12: 159.

McCabe, R., Heath, C., Burns, T. & Pruebe, S. (2002). Engagement of patients with psychosis in the consultation: conversation analytic study. The British Medical Journal, 325, 1148-1151.

Mello, A. L. & Wagner, L. C. (2011). Acessibilidade. In: Ferronatto, B. C., Mello, A. L. & Wagner, L. C. Guia de Guia de Orientações e Práticas para a Inclusão Laboral de Pessoas com Deficiências. Porto Alegre: Sulina.

Mohamed, S., Rosenheck, R., McEvoy, J., Swartz, M., Stroup, S. & Lieberman JA. (2009). Cross-sectional and longitudinal relationships between insight and attitudes toward medication and clinical outcomes in chronic schizophrenia. Schizophrenia Bulletin, 35(2), 336-346.

Nascimento, J., Lacerda, M. R., Kalinowski, L. C. & Favero, L. (2011), The supportive social networks in home caretaking: a descriptive-exploratorystudy. Online Brazilia Journal of Nursing, 10(3), 1-16.

Richter, D., Eikelmann, B. & Reker, T. (2006). Work, income, intimate relationships: social exclusion of the mentally ill. Gesundheitswesen, 68(11), 704-707.

Rodrigues, R. C., Marinho, T.P. & Amorim, P. (2010). Reforma psiquiátrica e inclusão social pelo trabalho. Ciência & Saúde Coletiva, 15 (Supl.1), 1615-1625.

Sassaki, R. K. (2010). Deficiência Psicossocial. Agenda 2011 do Portador de Eficiência. OAB/JusBrasil, http://oab-j.jusbrasil.com.br/noticias/2748813/artigo-deficiencia-psicossocial-romeu-kazumi-sassaki, acessado em 13 de outubro de 2014.

Silva, C. F., Passos, V. M. A. & Barreto, S. M. (2012). Frequência e repercussão da sobrecarga de cuidadoras familiares de idosos com demência. Revista Brasileira de Geriatria Gerontológica [online]. 15(4), 707-731.

Silva, M.D.P. & Lussi, I.A.O. (2010). Geração de Renda e Saúde Mental: O Cenário do Município de São Carlos. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, 18(1), 35-48.

Silva, T. F. C., Lovisi, G. M., Verdolin, L. D. & Cavalcanti, M. T. (2012). Adesão ao tratamento medicamentoso em pacientes do espectro esquizofrênico: uma revisão sistemática da literatura. Jornal Brasileiro de Psiquiatria [online], 61(4), 242-251.

Simonelli, A. P. & Camarotto, J. A. (2011). Análise de atividades para a inclusão de pessoas com deficiência no trabalho: uma proposta de modelo. Gestão e Produção, 8(1), 13-26.

Turner,T. (2004). The history of deinstitutionalization and deinstitutionalization. Psychiatry,3(9),1-4.

Välimäki, M., Hätönen, H., Lahti, M., Kuosmanen, L. & Adams, C.E. (2012). Information and communication technology in patient education and support for people with schizophrenia. Cochrane Database System Review, 10: CD007198.

Van Meer,R. (2003). Engaging patients with psychosis in consultations (letter). The British Medical Journal, 326, 549.

Yang, L.H., Phillips, M.R., Li, X., Yu, G., Zhang, J., Shi, Q., Song, Z., Ding, Z., Pang, S. & Susser, E. (2013). Employment outcome for people with schizophrenia in rural v. urban China: population-based study. The British Journal of Psychiatry, 203, 272-279.




DOI: http://dx.doi.org/10.4025/psicolestud.v20i1.25522

ISSN 1413-7372 (impressa) e ISSN 1807-0329 (on-line). Avaliada pela CAPES/ANPEPP como A1

 

Resultado de imagem para CC BY