Representações sociais do empreendedorismo no feminino e no masculino: investigação com estudantes

Rosa Monteiro, Catarina Silveiro, Fernanda Daniel

Resumo


Neste artigo entende-se o empreendedorismo como um processo socialmente construído por cognições sociais e práticas quotidianas que moldam e são moldadas pelas relações de gênero. O objetivo do estudo foi conhecer as representações sociais do empreendedorismo, uma atividade geralmente formulada como masculina. Esperava-se que as representações e estereotipia de gênero influenciassem as concepções de empreendedor e empreendedora. Usou-se a técnica de associação livre de palavras, com posterior análise de núcleo central e periférico de representações. Concluiu-se que existe uma valorização de atributos como liderança, dinamismo e criatividade ou inovação. Estes atributos estão associados à ideologia Schumpeteriana de empreendedorismo. No entanto, no núcleo periférico de representações surgiram nuances mais complexas e críticas. Verificou-se também uma associação entre atributos do empreendedorismo e atributos estereotipadamente masculinos, enquanto emergiu maior heterogeneidade nas representações de mulher empreendedora pela evocação de atributos associados ao estereótipo de feminilidade (simpatia, beleza, elegância, vaidade). 


Palavras-chave


Empreendedorismo; gênero; psicologia social. SOCIAL

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Abric, J. C. (1993). Central System, peripheral system: their functions and roles, in the dynamics of social representations. Papers on Social Representations, 2 (2),75-78.

Acker, J. (2009). From glass ceiling to inequality regimes. Sociologie Du Travail, 51(2), 199–217. doi:10.1016/j.soctra.2009.03.004

Ahl, H. (2006). Why research on women entrepreneurs needs new directions. Entrepreneurship Theory and Practice, 30(5), 595–621.

Ahl, H., & Nelson, T. (2010). Moving forward: institutional perspetives on gender and entrepreneurship. International Journal of Gender and Entrepreneurship. Vol. 2 No. 1, 2010. 5-9. doi 10.1108/17566261011044259.

Ahl, H., & Marlow, S. (2012). Exploring the dynamics of gender, feminism and entrepreneurship: advancing debate to escape a dead end? Organization, 19(5), 543–562. doi:10.1177/1350508412448695

Baker, T., Aldrich, H. E., & Liou, N. (1997). Invisible entrepreneurs: the neglect of women business owners by mass media and scholarly journals in the USA. Entrepreneurship and Regional Development, 9(3), 221-238.

Beaufils B. (1996). Statistiques appliquées à la psychologie: statistiques descriptives. Paris: Bréal.

Bosma, N. & Levie, J. (2009). Global entrepreneurship monitor: 2009 executive report. Acedido em 12, julho, 2013 em http://www.gemconsortium.org

Cromack, L. M. F., Bursztyn, I., & Tura, L. F. R. (2009). O olhar do adolescente sobre saúde: um estudo de representações sociais. Ciência & Saúde Coletiva, vol. 14, no. 2, 627-634.

Drucker, P. F. (1986). Inovação e Espírito Empreendedor: Prática e Princípios. S. Paulo: Pioneira.

Camargo, B. V., Justo, A. M., & Jodelet, D. (2010). Normas, Representações Sociais e Práticas Corporais. Revista Interamericana de Psicología, 44(3), 456-464.

Jones, S. (2009). The Social Construction of Entrepreneurship: The Self-MadeMan or the Man-Made self? London: Institute for Small Business and Entrepreneurship www.isbe.org.uk

Lewis, P. (2006). The quest for invisibility: female entrepreneurs and the masculine norm of Entrepreneurship. Gender, Work and Organization, 13(5), 453-69.

Mirchandani, K. (1999). Feminist insight on gendered work: new directions in research on women and entrepreneurship. Gender, Work and Organization, 6(4), 224-235.

Moscovici, S. (1976). Psicologie sociale. Paris: PUF.

Moscovici, S. (1981). Social Cognition: perspetives on everyday understanding. Londres: Academic Press.

Moscovici, S. (1984). The phenomenon of Social Representations. Social Representations. Cambridge: Cambridge University Press.

Nobre, N. C. S., (2011). A mobilização de recursos para o empreendedorismo: O contraste nos casos de necessidade e de oportunidade. Dissertação de Mestrado apresentada à Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra

Nogueira, C. (2009). Mulheres com negócios: contributos para uma avaliação do potencial emancipatório do empreendedorismo feminino. Dissertação apresentada em Sociologia apresentada à Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra.

OCDE (2004). Women’s entrepreneurship: issues and policies. Recuperado em 10 março, 2013, de http://www.oecd.org/cfe/smes/31919215.pdf

Schumpeter, J. A. (1985). A Teoria do Desenvolvimento Económico. São Paulo: NovaCultural.

Smith, R. (2010). Masculinity, Doxa and the Institutionalisation of entrepreneurial Identity in the Novel City Boy. The International Journal of Entrepreneurship and Gender, 2(1), 27-48.

Tagg, S. & Wilson, F. (2012). Construing business owners: are men and women really different? International Journal of Gender and Entrepreneurship, 2 (1). ISSN 1756-6266

Vala, J. & Monteiro, M. B. (2000) Psicologia social. Serviço de Educação Fundação Calouste Gulbenkian, 4ª edição.

West, C. & Zimmerman, D.H. (1987). Doing gender. Gender & Society, 1(2), 125-51.

Wilson, F. & Tagg, S. (2010). Social constructionism and personal constructivism: Getting the business owner’s view on the role of sex and gender. International Journal of Gender and Entrepreneurship, Vol. 2 No. 1. 68-82.

Zapalska, A. (1997). A profile of woman entrepreneurs and enterprises in Poland. Journal of Small Business Management, 35(4), 76-82.




DOI: http://dx.doi.org/10.4025/psicolestud.v20i1.25539

ISSN 1413-7372 (impressa) e ISSN 1807-0329 (on-line). Avaliada pela CAPES/ANPEPP como A1