Resumo visualizado: 2543 vezes

CUIDADO AMBIENTAL E RESPONSABILIDADE: POSSÍVEL DIÁLOGO ENTRE PSICOLOGIA AMBIENTAL E LOGOTERAPIA

Diogo Arnaldo Corrêa, Marlise Aparecida Bassani

Resumo


O cuidado ambiental vem sendo marcado pela tônica da conservação e da promoção da sustentabilidade. A premente necessidade de um dado compromisso e educação ambiental e de condutas pró-ambientais vem sendo defendida em vários contextos: na mídia, nas políticas públicas, por meio de campanhas sazonais. Todavia, pouco se descreve acerca do sentido presente nos modos de cuidado configurados a partir da inter-relação pessoa-ambiente. Nesta perspectiva, este estudo objetivou promover um possível diálogo a partir das contribuições da Psicologia Ambiental e da Logoterapia visando aproximar a noção de cuidado ambiental, delineada pela Psicologia Ambiental, à ideia de responsabilidade, como defendida pela Logoterapia, por meio de uma revisão bibliográfica. As articulações propositadas corroboraram, portanto, para acenar que a relação pessoa-ambiente pode ser arraigada em qualidade se a responsabilidade é reconhecida em sua propriedade de potencial humano, o que pode favorecer na emergência do sentido das atitudes e condutas pró-ambientais e explicitar o caráter de tarefa única e irrepetível inerente à vida.


Palavras-chave


Cuidado ambiental; logoterapia; responsabilidade.

Texto completo:

PDF PDF (English) (baixado PDF - 1143 PDF (English) - 247 vezes)

Referências


Bassani, M. A. (2012). Psicologia Ambiental. En V. S. Hammes (Ed.), Proposta metodológica de macroeducação (Educação ambiental para o desenvolvimento sustentável, volume 2) (3a ed.) (pp. 125-131). Brasília, DF: Embrapa.

Bassani, M. A. (2001). Fatores psicológicos da percepção da qualidade ambiental. En N. B. Maia, H. L. Martos, W. Barrela (Orgs.), Indicadores ambientais: conceitos e aplicações (pp. 47-57). São Paulo: EDUC.

Boff, L. (2012). Sustentabilidade: o que é - o que não é. Petrópolis, RJ: Vozes.

Carvalho, L. P., Bassani, M. A. (2011). A formação do psicólogo: Psicologia Ambiental e sustentabilidade. En M. A. Bassani (Org.), Vida Urbana: estudos em Psicologia Ambiental (1a ed.) (pp. 134-149). Santo André, SP: ESETec.

Cyrous, S. (2012). Logoterapia, Direitos Humanos e Sustentabilidade: repensando modelos. Logos e Existência, 1(2), 138-147. Recuperado de http://www.okara. ufpb.br/ojs2/index.php/le/article/view/14340/9037. ISSN 2316-9923

Corral Verdugo, V. (2010). Psicología de la Sustentabilidad: un análisis de lo que nos hace pro ecológicos y pro sociales. México: Trillas.

Corrêa, D. A., & Rodrigues, C. M. D. (2013). Finitude e Sentido da Vida: do torpor à tarefa. Logos e Existência, 2(1), 37-46. Recuperado de http://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/le/article/ view/15915/10038. ISSN 2316-9923

Farias, C. M., Paranhos, M., Bassani, M. A. (2011). Yoga como delineador de um estilo de vida voltado para a sustentabilidade. En M. A. Bassani (Org.), Vida Urbana: estudos em Psicologia Ambiental (1a ed.) (pp. 164-176). Santo André, SP: ESETec.

Ferreira, M. R. (2004). Problemas ambientais como desafio para a psicologia. En H. Günther, J. Q. Pinheiro, R. S. L. Guzzo (Orgs.), Psicologia Ambiental: entendendo as relações do homem com seu ambiente. (pp. 17-30). Campinas, SP: Alínea.

Frankl, V. E. (2008). Em busca de sentido: um psicólogo no campo de concentração. (25a ed. rev.). São Leopoldo: Sinodal; Petrópolis: Vozes.

______. (2007). Fundamentos y aplicaciones de la Logoterapia. (1a ed.; 3a reimp.). Buenos Aires: San Pablo.

______. (2005). Las raíces de la Logoterapia (Escritos Juveniles 1923-1942). Buenos Aires: Fundación Argentina de Logoterapia Viktor E. Frankl.

______. (2010). Psicoterapia e Sentido da Vida (Fundamentos da Logoterapia e Análise Existencial). (5a ed.). São Paulo: Quadrante.

Guberman, M. & Soto, E. P. (2006). Dicionário de Logoterapia. Lisboa: Paulus.

Lélé, S. M. (1991). Sustainable Development: a critical review. World Development, 19(6), 607-621, Gredt Britain, Pergamon Press.

Lima, D. M. A., & Bomfim, Z. A. C. (2009). Vinculação afetiva pessoa-ambiente: diálogos na psicologia comunitária e psicologia ambiental. Psico, 40(4), 491-497. Recuperado de http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistapsico/article/view/4711/4936. e-ISSN: 1980-8623

Marino, H. R. (2010). Prefácio. En V. E. Frankl, V. E, O que não está escrito em meus livros: memórias. (1a ed.) (pp. 07-11). São Paulo: É Realizações.

Moreno, E., Pol, E. (1999). Nociones psicosociales para la intervención dentro de la perspectiva del dessarollo sustentable. (Monografies Socio/Ambientals; 14). Barcelona: Publicacions Universitat de Barcelona.

Morin, E. (2011). Os sete saberes necessários à educação do futuro. (2a ed.). São Paulo: Cortez.

Moser, G. (2003). Examinando a congruência pessoa-ambiente: o principal desafio para a Psicologia Ambiental. Estudos de Psicologia, 8(2), 331-333. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-294X2003000200016. Doi: 10.1590/S1413-294X2003000200016

______. (2004). La Psicología Ambiental: del análisis a la intervencíon dentro de la perspectiva del desarrollo sustentable. En E. T. O. Tassara, E. P. Rabinovich, M. C. Guedes (Ed.), Psicologia e Ambiente. (pp. 169-196). São Paulo: EDUC.

Novaes, M. H. (1999). Caminhos para a construção de um futuro com esperança. Revista Psicologia Escolar e Educacional, 3(1), 71-75. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/pee/v3n1/v3n1a08.pdf. ISSN: 2175-3539

Uzzell, D. (2004). A Psicologia Ambiental como uma chave para mudar atitudes e ações para com a sustentabilidade. En E. T. O. Tassara, E. P. Rabinovich, M. C. Guedes (Ed.), Psicologia e Ambiente. (pp. 363-388). São Paulo: EDUC.




DOI: http://dx.doi.org/10.4025/psicolestud.v20i4.28453

ISSN 1413-7372 (impressa) e ISSN 1807-0329 (on-line). Avaliada pela CAPES/ANPEPP como A1

 

Resultado de imagem para CC BY