TORNANDO-SE PAI: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA SOBRE A TRANSIÇÃO PARA A PATERNIDADE

Cleber José Aló Moraes, Tania Mara Marques Granato

Resumo


Este estudo tem como objetivo realizar uma revisão integrativa de artigos nacionais e internacionais sobre o tema da transição para a paternidade publicados entre 2006 e 2014. Foram consultadas as bases de dados EBSCO, PsycINFO, SciELO Regional e PEPSIC, resultando em 25 artigos indexados, que foram analisados em relação ao ano de publicação, país, metodologia, temática e resultados. Os resultados foram agrupados em quatro grandes grupos, intitulados: “o pai consigo mesmo”, “o pai, a mãe e o bebê”, “o pai e a rede de apoio formal” e “o pai, o trabalho e a sociedade”. No grupo, “o pai consigo mesmo”, destaca-se a vivência da paternidade como uma revolução interna, acompanhada de intensa sobrecarga emocional, ambivalência, solidão e idealização da relação pai-bebê. No grupo, “o pai, a mãe e o bebê”, percebe-se uma intensa transformação na vida conjugal, no qual o pai tende a ser mais ativo na relação com o bebê, porém modulado pela presença materna. No grupo “o pai, o trabalho e a sociedade”, percebemos a falta de preparo dos profissionais para lidar com as demandas paternas, bem como a inexistência de políticas sociais e de saúde voltadas à relação pai-bebê. No grupo “o pai, o trabalho e a sociedade”, destacamos o uso de redes informais de apoio e o surgimento de modelos horizontais de identificação paterna. Foram discutidos tendências e hiatos nas pesquisas atuais no campo da transição para a paternidade, no sentido da constituição de um novo pai.


Palavras-chave


Paternidade; revisão de literatura; contemporaneidade.

Texto completo:

PDF PDF (English) (baixado

Referências


Bornholdt, E. A., Wagner, A. & Staudt, A. C. P. (2007). A Vivência da gravidez do primeiro filho à luz da perspectiva paterna. Psicologia Clínica (Rio de Janeiro), 19(1), 75-92.

Chin, R., Hall, P. & Daiches, A. (2011). Fathers´ experiences of their transition to fatherhood: a metasynthesis. Journal of Reproductive and Infant Psychology, 29(1), 4-18.

Deave, T. & Johnson, D. (2008). The transition to fatherhood: what does it mean for fathers? Journal of Advanced Nursing, 63(6), 626-633.

Eerola, J. P. & Huttunen, J. (2011). Metanarrative of the “New Father” and narratives of the Young Finnish first-time fathers. Fathering, 9(3), 211-231.

Fägerskiöld, A. (2008). A change in life as experienced by first time fathers. Scandinavian Journal of Caring Sciences, 22, 64-71.

Ferreira, M. C. & Aiello-Vaisberg, T. M. J. (2006). O pai ´suficientemente bom´: algumas considerações sobre o cuidado na psicanálise winnicottiana. Mudanças – Psicologia da Saúde, 14(2), 136-142.

Genesoni, L. & Tallandini, M. A. (2009). Men´s psychological transition to fatherhood: an analysis of the literature, 1989-2008, Birth, 36(4), 305-318.

Gonçalves, T. R., Guimarães, L. E., Silva, M. R., Lopes, R. C. S. & Piccinini, C. A. (2013). Experiência de paternidade aos três meses do bebê. Psicologia: Reflexão e Crítica, 26(3), 599-608.

Habib, C. & Lancaster, S. (2006). The transition to fatherhood: identity and bonding in early pregnancy. Fathering, 4(3), 235-253.

Habib, C. (2012). The transition to fatherhood: a literature review exploring paternal involvement with identity theory. Journal of Family Studies, 18(2/3), 103,120.

Höfner, C., Schadler, C. & Richter, R. (2011). When men become fathers: men´s identity at the transition to fatherhood. Journal of Comparative Family Studies, 42(5).

Halle, C., Dowd, T., Fowler, C., Rissel, K., Henessy, K., MacNevin, R. & Nelson, M. A., (2008). Supporting fathers in the transition to fatherhood. Contemporary Nurse, 31(1), 57-70.

Henn, C. G. & Sifuentes, M. (2012). Paternidade no contexto das necessidades especiais: revisão sistemática de literatura. Paideia, 22(51), 131-139.

Jager, M. E. & Bottoli, C. (2011). Paternidade: vivência do primeiro filho e mudanças familiares. Psicologia, Teoria e Prática, 13(1), 141-153.

Krob, A. D., Piccinini, C. A. & Silva, M. R. (2009). A transição para a paternidade: da gestação ao segundo mês de vida do bebê. Psicologia USP, 20(2), 269-291.

Levandowski, D. C. & Picinnini, C. A. (2006). Expectativas e sentimentos em relação à paternidade entre adolescentes e adultos. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 22(1), 17-28.

Mendes, K. D. S., Silveira, R. C. C. P. & Galvão, C. M. (2008). Revisão integrativa: Método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto e Contexto em Enfermagem, 17(4), 758-764.

Mckenzie, S. K. & Carter, K. (2013). Does transition into parenthood lead to changes in mental health? Findings from three waves of a population based panel study. J Epidemiol Community Health, 67, 339–345.

Oliveira, A. C. (2012). “Bons pais”: representações e significações de pais hétero e homossexuais. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Psicologia e Ciência da Educação, Universidade de Coimbra.

Palkovitz, R. & Palm, G. (2009). Transitions within fathering. Fathering, 7(1), 3-22.

Piccinini, C. A., Silva, M. R., Gonçalves, T. R., Lopes, R. C. S. & Tudge, J. (2012). Envolvimento paterno aos três meses de vida do bebê. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 28(3), 303-314.

Piccinini, C. A., Levandowski, D. C., Gomes, A. G., Lindenmeyer, D. & Lopes, R. S. (2009). Expectativas e sentimentos de pais em relação ao bebê durante a gestação. Estudos de Psicologia (Campinas), 26(3), 373-382.

Pleck, J. H. (2004). Paternal Involvement by U.S. residential fathers. Leaves, sources and consequences. In: M. E. Lamb (Ed.). The Role of the Father in Child Development (pp. 222-272). New York: John Wiley.

Premberg, A., Hellström, A. L. & Berg, M. (2008). Experiences of the first year as father. Scandinavian Journal of Caring Sciences, 22(1), 56-63.

Sansiriphun, N., Kantaruksa, K., Klunklin, A., Baosuang, C. & Jordan, P. (2010). Thai Men becoming a first-time father. Nursing and Health Sciences, 12(4), 403-409.

Souza, C. L. C. & Benetti, S. P. C. (2009). Paternidade contemporânea: levantamento da produção acadêmica no período de 2000 a 2007. Paideia, 19(42), 97-106.

Stake, R. E. (2011). Pesquisa qualitativa: estudando como as coisas funcionam. Porto Alegre: Penso.

Staudt, A. C. P. & Wagner, A. (2008). Paternidade em tempos de mudança. Psicologia: Teoria e Prática, 10(1), 174-185.

Thomas, J. E., Bonér, A. K. & Hildingsson, I. (2011). Fathering in the first few months. Scandinavian Journal of Caring Sciences, 25, 499-509.

Winnicott,D. W. (1993). Pediatria e Psiquiatria. In: D. W. Winnicott. Da Pediatria à Psicanálise (pp. 287-311). Rio de Janeiro: Francisco Alves. (Original publicado em 1948).

Winnicott, D. W. (1996). Tudo Começa em casa. São Paulo: Martins Fontes. (Original publicado em 1970).




DOI: http://dx.doi.org/10.4025/psicolestud.v21i4.29871

ISSN 1413-7372 (impressa) e ISSN 1807-0329 (on-line). Avaliada pela CAPES/ANPEPP como A1

 

Resultado de imagem para CC BY