A CATEGORIA HOMEM NAS POLÍTICAS PÚBLICAS E LEIS BRASILEIRAS

Samantha Alflen Banin, Adriano Beiras

Resumo


Este artigo apresenta uma discussão acerca da visão do homem enquanto categoria de gênero nas políticas públicas e leis nacionais, especialmente as voltadas para a violência contra mulheres. Para isso, introduz brevemente os feminismos e o estudo de masculinidades como teorias e epistemologias que norteiam a análise de 17 documentos oficiais brasileiros, selecionados para este estudo. Esta análise objetiva clarificar como o homem genderificado é entendido nos textos de diferentes documentos ao longo dos anos. Discute como a elaboração de leis pode possibilitar um novo discurso de responsabilização para além da punição desses homens. Também investiga a normatização de alguns grupos existentes com homens autores de violência contra mulheres em território nacional. Conclui defendendo a importância dessas reflexões para as discussões sobre gênero e masculinidades, em busca de um sistema mais efetivo de prevenção e erradicação da violência contra mulheres. Argumenta e problematiza a favor tanto da modificação da maneira como essa categoria é abordada nos documentos oficiais, quanto da formalização de espaços de responsabilização e reflexão para os homens autores de violência contra mulheres.


Palavras-chave


Violência contra mulher; políticas públicas; masculinidade.

Texto completo:

PDF PDF (English) (baixado

Referências


Albuquerque, Durval Muniz Jr. (2014) Nostalgia da infância, Saudades do feminino: em que momentos da vida de um homem o feminismo pode atuar para a construção de outras masculinidades possíveis. In: E. Blay Alterman (Ed). Feminismos e masculinidades: novos caminhos para enfrentar a violência contra a mulher. (pp.105-116). São Paulo: Cultura Acadêmica.

Assembleia Geral da Organização dos Estados Americanos. (1994). Convenção Interamericana para prevenir, punir e erradicar a violência contra a mulher, “Convenção de Belém do Pará”. Belém.

Beiras, A. & Cantera, L, M. Narrativas Personales, Construcción de Masculinidades - Aportaciones para la Atención a Hombres Autores de Violencia. (2012). Psico, 43 (2), 251-259. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistapsico/article/view/10023/8035

Beiras, A. (2012). La (de)construcción de subjetividades en un grupo terapéutico para hombres autores de violencia en sus relaciones afectivas. (Tese de Doutorado em Psicologia Social, Universidad Autónoma de Barcelona, España) Disponível em: http://www.tede.ufsc.br/teses/PPSI0266-D.pdf

Borges, L. S. (2014). Feminismos, teoria queer e psicologia social crítica: (re)contando histórias... Psicologia & Sociedade, 26(2), 280-289. Disponível em: https://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822014000200005

Bourdieu, P. (2002). A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Chagoya, M. F. (2014). Tendencias discursivas en el activismo de varones profeministas en México: algunas provocaciones a propósito del “cambio” en los hombres. Conexões Psi, 1(2) 31-56.

Climaco, D. de A. (2009). Tráfico de mulheres, negócios de homens. Leituras feministas e anti-coloniais sobre os homens, as masculinidades e/ou o masculino. (Dissertação de Mestrado em Psicologia não publicada). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Connel, R. W. (1995). The Social Organization of Masculinity. Berkeley: University of California Press.

Conselho Nacional de Combate à Discriminação. (2004). Brasil Sem Homofobia: Programa de combate à violência e à discriminação contra GLTB e promoção da cidadania homossexual. Brasília: Ministério da Saúde.

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. (s/d). Padronização do Grupo Reflexivo dos Homens Agressores. Rio de Janeiro: EMERJ

Lei Nº 11.340, de 7 de agosto de 2006. Lei Maria da Penha. (2006, 7 de agosto). Dispõe sobre mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher. Brasília: Presidência da República: Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Recuperado em 15 de outubro, 2015, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm

Lei nº 11.489, de 20 de junho de 2007. (2007, 20 de junho). Institui o dia 6 de dezembro como o Dia Nacional de Mobilização dos Homens pelo Fim da Violência contra as Mulheres. Brasília, DF: Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Recuperado em 10 de janeiro, 2016, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato20072010/2007/Lei/L11489.htm

Lei nº 12.288, de 20 de julho de 2010. (2010, 20 de julho). Institui o Estatuto da Igualdade Racial; altera as Leis nos 7.716, de 5 de janeiro de 1989, 9.029, de 13 de abril de 1995, 7.347, de 24 de julho de 1985, e 10.778, de 24 de novembro de 2003. Brasília, DF: Presidência da República: Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Recuperado em 10 de janeiro, 2016, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Lei/L12288.htm

Lei nº 13.104, de 9 de março de 2015. (2015, 9 de março). Altera o art. 121 do Decreto-Lei no. 2.848, de 7 de dezembro de 1940-Código Penal, para prever o feminicídio como circunstância qualificadora do crime de homicídio, e o art. 1o. da Lei no. 8.072, de 25 de julho de 1990, para incluir o feminicídio no rol dos crimes hediondos. Brasília, DF. Presidência da República: Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Recuperado em 11 de novembro, 2015, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/lei/L13104.htm

Lei nº 2.647, de 22 de julho de 2014. (2014, 22 de julho). Cria no âmbito do Município de Duque de Caxias o Centro de Referência do Homem e dá outras providências. Duque de Caxias: Câmera Municipal. Recuperado em 22 de fevereiro, 2016, de http://www.cmdc.rj.gov.br/?p=4972

Lei nº 2229/2015, de 11 de setembro de 2015. (2015, 11 de setembro). Dispõe sobre: “Institui o Programa “Tempo de Despertar” e dá outras providências. Taboão da Serra, SP: Câmara Municipal. Recuperado em 05 de março, 2016, de http://www.tjsp.jus.br/Download/Pdf/Comesp/Leis/LeiMunicipal2229_2015.pdf

Lei nº 5825/01, de 27 de dezembro de 2001. (2001, 27 de dezembro). Autoriza o Poder Executivo a criar o “Programa de Prevenção e Combate à Violência Doméstica e Intrafamiliar”, no âmbito do município. Blumenau, SC. Prefeitura Municipal: Câmara Municipal. Recuperado em 12 de novembro, 2015, de https://leismunicipais.com.br/a/sc/b/blumenau/lei-ordinaria/2001/583/5825/lei-ordinaria-n-5825-2001-autoriza-o-poder-executivo-a-criar-o-programa-de-prevencao-e-combate-a-violencia-domestica-e-intrafamiliar-no-ambito-do-municipio

Lima, D. C; Buchele, F.; & Climaco, D. de A. (2008). Homens, gênero e violência contra a mulher. Saude soc., São Paulo, 17 (2), 69-81.

Müller, R. F. (2013). Por uma cartografia do direito do homem à saúde: considerações sobre a política nacional de atenção integral à saúde do homem e a agenda de direitos sexuais e reprodutivos. (2013) Conexões Psi, 1, 35-56. Disponível em: http://apl.unisuam.edu.br/revistas/index.php/conexoespsi/article/view/244

Müller, R. F. Violência, vulnerabilidade e risco na política nacional de atenção integral à saúde do homem. (2012). Revista EPOS,3 (2), 1-15. Disponível em http://revistaepos.org/arquivos/06/RitaFlores.pdf

Nalon, Carolina. (2015). O que aprendi sobre racismo e privilégios nos últimos dias. Disponível em http://carolinanalon.com/o-que-aprendi-sobre-racismo-e.../

Nogueira, C. (2013). A teoria da interseccionalidade nos estudos de género e sexualidades: condições de produção de" novas possibilidades" no projeto de uma psicologia feminista crítica. In A. L. C. Brizola; A. V. Zanella & M. Gesser (Eds). Práticas sociais, políticas públicas e direitos humanos. Florianópolis: Edições do Bosque.

Noriega, G. N. (2009). Los “hombres” en los estudios de gênero de los “hombres”: un reto desde los estudios queer. In J. C. R. Rodríguez & G. U. Vázquez. (Eds.), Masculinidades. El juego de género de los hombres en el que participan las mujeres (pp. 43-57). Madrid: Plaza y Valdés.

Resolução nº 128, de 17 de março de 2011 (2011, 17 de março).. Determina a criação de Coordenadorias Estaduais das Mulheres em Situação de Violência Doméstica e Familiar no âmbito dos Tribunais de Justiça dos Estados e do Distrito Federal. Brasília: Conselho Nacional de Justiça.

Resolução nº. 3/2012-TJ, de 7 de maio de 2012. (2012, 7 de maio). Cria, no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina, a Coordenadoria de Execução Penal e da Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, e adota outras providências. Florianópolis, SC. Tribunal de Justiça.

Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas (2008). Política Nacional de Atenção à Saúde do Homem - Princípios e Diretrizes.

Secretaria de Políticas para as Mulheres (2011). Política Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres. Brasília: Secretaria de Políticas para as Mulheres.

Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres (2005). Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres.

Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres (2007). Plano Integrado de Enfrentamento da Feminização da Epidemia de Aids e outras DST.

Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres (2008). II Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres




DOI: http://dx.doi.org/10.4025/psicolestud.v21i3.32256

ISSN 1413-7372 (impressa) e ISSN 1807-0329 (on-line). Avaliada pela CAPES/ANPEPP como A1

 

Resultado de imagem para CC BY